domingo, 6 de março de 2011

apologize

    Fonte: Rg Vogue

 Sexta-feira (04.03), porta no museu Rodin, palco do desfile da Dior. Sujeito estilo homem das cavernas, coberto por um casaco de pele (e usando uma bota de pele), empunha um cartaz com os dizeres: “The king is gone!”. Manifestação pró-Galliano, corajosa.
Na contramão, o presidente da Dior falou aos convidados antes do início do desfile. Em respeito às vítimas do holocausto, ele julgou intolerável a atitude do estilista e se desculpou em nome da Maison, “resultado de um trabalho feito diariamente”. Começa o show. Na passarela, o romantismo de sempre. Vestidos transparentes e esvoaçantes, peles sobrepostas ou em detalhes. Influência dos 70’s, 20’s e 30’s e silhueta império. Fim do show. Todos aplaudiram muito e em ritmo, como que esperando por alguém… Mas as modelos voltam sem o designer. Todos se recusaram a sair. Sob aplausos emocionados, a equipe inteira da Dior entrou em cena.

Beijocas do Roger

Um comentário:

Juliana disse...

É uma grande pena, pois ele é realmente muito talentoso. Acho lindo o trabalho.